• A empresa dispõe de oito pessoas invisuais no seu quadro de trabalhadores que desenvolvem funções como «qualities» de Contact Center, utilizando para tal uma aplicação completamente acessível desenvolvida para facilitar o seu trabalho.
  • O projeto, que já se tornou numa realidade, surge de uma aliança estratégica entre a Konecta, Fundação ONCE para a Solidariedade com as Pessoas Invisuais da América Latina (FOAL) e a Organização Nacional de Invisuais do Brasil (ONCB).

São Paulo, 17 de julho de 2017. Em 2016, a Konecta assinou um acordo de colaboração com a FOAL -Fundação ONCE de Solidariedade para com as Pessoas Invisuais da América Latina- destinado a potenciar a formação e capacitação de pessoas com deficiências visuais para promover a sua inserção na equipa da multinacional nos países da América-Latina em que ambas estão presentes.

O início de um projeto de integração em colaboração com a ONCB (Sócio local da FOAL no Brasil) que representa as pessoas invisuais e com baixa visão do Brasil. Dita organização dispõe atualmente de 86 entidades afiliadas, que trabalham a favor das pessoas com deficiências visuais, promovendo o seu acesso à educação, cultura, desporto, ócio e exercício da cidadania foi o fruto deste convénio.

Como resultado deste projeto, a Konecta Brasil dispõe de oito pessoas invisuais no seu quadro de trabalhadores, de maneira estável, que desenvolvem funções de «qualities» de Contact Center. São profissionais encarregues de ouvir e avaliar as chamadas realizadas nos diferentes serviços para garantir a sua qualidade, considerando tanto a forma como o conteúdo das conversações. Desta forma, aproveitam-se as suas capacidades para cobrir esta posição, utilizando para tal uma aplicação completamente acessível desenvolvida para facilitar o seu trabalho e garantir a sua inserção normalizada.

Depois do sucesso desta experiência e com a ajuda dos novos empregados invisuais, a Konecta Brasil está a estudar novas posições e áreas da empresa para continuar a incorporar pessoas com deficiências visuais.

A multinacional espanhola que reportou no final de 2016 uma faturação de 738 milhões de euros, desenvolve a sua estratégia de responsabilidade social em linha com a sua atividade empresarial, apoiando-se na sua grande capacidade de geração de emprego. Desta maneira, impulsiona iniciativas destinadas a inserção socioprofissional de pessoas em risco de exclusão –com especial ênfase em pessoas com deficiências–, investindo em iniciativas de I+D que melhorem a acessibilidade física e tecnológica em todos os seus centros de trabalho.

Exemplo de tudo isto e dentro do âmbito do mesmo convénio com a FOAL, podemos destacar o emprego no Chile de 12 pessoas com capacidades diferentes -6 delas com deficiências visuais-, assim como o desenvolvimento de programas estratégicos para apoiar a qualificação e inserção social e profissional noutros países da América Latina, como no Peru onde em 2013 criou a primeira Corrida Profissional em Contact Center, aprovada, formando até ao momento 200 alunos e empregando 153 na Konecta, 10 deles com deficiências; ou na Colômbia onde iniciou um projeto destinado a viúvas e ex-militares com deficiências, produto do qual se formaram 30 alunos, 12 dos quais foram incorporados à empresa nesse país.

Atualmente a Konecta dispõe de um quadro de trabalhadores multicultural e diversificado, do qual mais 25% corresponde a grupos sociais mais desfavorecidos, plenamente integrados às equipas de trabalho e contribuindo com o alcance dos objetivos empresariais.

Para cumprir estes objetivos, a Konecta apoia-se na sua Fundação, criada em 2005 com a finalidade de canalizar a ação social da empresa e impulsionar programas neste âmbito, gerando alianças que contribuem para a geração de um efeito multiplicador dos seus projetos na sociedade. Os resultados alcançados até ao momento são mais que significativos, com um investimento de 8 milhões de euros, conseguiu beneficiar mais de 12.000 pessoas através dos vários programas que tem em andamento, 6.000 dos quais conseguiram um posto de trabalho.

2